Cadê aquela alergia que estava aqui?

Cadê aquela alergia que estava aqui?

“Sabe aquela alergia crônica que atrapalha seus dias e que obriga você a viver à base de medicamentos? Pois ela pode ser muito mais emocional do que você imagina, e o tratamento pode ser mais acessível, também, cuidando dos seus traumas e fazendo as pazes com sua história de vida.”

Uma das queixas mais frequentes que temos aqui, no consultório, é sobre as alergias. Tem gente que já acorda, pela manhã, espirrando, se coçando, começando o dia de um jeito nervoso e estressado. Tem quem já se acostumou com a alergia a tal ponto que nem lembra mais como é viver sem ela. Mas é possível quebrar essa linha de raciocínio do organismo, ou seja, eliminar o agente para acabar com a reação, já que a alergia é sempre uma resposta do nosso corpo a algo. Mas o quê?

Existem muitas respostas possíveis e é preciso estudar cada caso separadamente. Mas uma coisa é certa: grande parte das alergias tem fundo emocional e, por isso, os medicamentos funcionam como paliativos, nos fazem conviver melhor com os sintomas, mas não conseguem eliminar o agente. Imagine a seguinte situação: uma rinite que é desencadeada a cada mudança de temperatura, como aquelas causadas pelo entra e sai de um escritório onde o ar condicionado está ligado. A alergia é sempre relacionada ao próprio ar, à limpeza do equipamento que resfria o ambiente ou à mudança de frio para calor e vice-versa.

Será? E se nós dissermos que é muito mais fácil, e comum, que haja uma causa emocional que desencadeia a alergia, e que a mudança de temperatura é somente, digamos a “desculpa” que o corpo acha para permitir que a alergia seja acionada? Nós já falamos por aqui sobre a alergia em bebês, que estão vivendo a adaptação do EU ao NÃO EU, que é toda novidade no mundo, e que nós, em menor ou maior escala, também estamos vivendo o contato com o novo a cada dia.

Pois se o contato com o novo provoca insegurança e medo, mesmo que inconscientes, eles podem vir mascarados de alergia, para que o corpo possa se proteger e nos proteger daquilo que é considerado uma ameaça. E como saber? Buscando as causas primárias da alergia, por meio de técnicas de saúde integrativa que vão encontrar, lá no fundo, de onde as reações estão vindo, do que elas querem nos proteger.

Alergia, geralmente é reação que vem do medo

As causas reais podem ser muitas: medo do perigo, do abandono, da morte, de não conseguir atingir seus objetivos, de se separar de alguém querido ou de não conseguir se separar de alguém que nos faz mal. O medo é o principal agente de toda alergia. Ele está lá, a maioria das vezes agindo de forma silenciosa. Encontrar a causa ajuda a eliminar o agente e, portanto, as reações. Claro que é preciso um tratamento, trabalhar corpo e mente, mas temos inúmeros casos em que a pessoa simplesmente descobre que a alergia não está mais lá.

Parece impossível? Não é. Basta entender que existe uma causa para tudo e que ela pode estar mais dentro de nós do que imaginamos. É preciso vasculhas nosso interior, buscar nas nossas emoções o que nos torna vulneráveis. Mas é possível e, muitas vezes, quando o tratamento é realizado da forma correta, tem um desenvolvimento rápido. O que não pode é achar que é normal sentir-se mal todos os dias!

A importância de aprender a respeitar a sua verdade

A importância de aprender a respeitar a sua verdade

Sabe qual é a pior atitude que podemos tomar diante da vida? Esquecer de viver a nossa verdade. Ela sufoca nossos desejos, nossa personalidade e adoece as nossas emoções. Entenda por que é tão importante aprender a respeitar a própria verdade.

Querer agradar o mundo pode nos levar a desrespeitar a nossa verdade. Aquilo em que realmente acreditamos, que fala mais alto aos nossos corações. Pode parecer bobagem: tenho um bom emprego, uma vida estável, família, então por que me sinto como se algo estivesse faltando? Nós retornamos a pergunta: quantas vezes por dia você faz algo que realmente deseja fazer, você agrada a si mesmo ao invés de apenas cumprir convenções sociais? Desejar morar no campo e viver na cidade grande, querer conhecer o mundo, mas sentir-se preso a um emprego estável e contas a pagar, ter um talento incrível, mas sufoca-lo porque “isso não dá dinheiro” são exemplos de situações mais corriqueiras do que imaginamos e que cada vez mais ganham destaque em nossas vidas. Nem sempre por uma tomada de consciência, mas com uma dor inexplicável e uma doença crônica que “aparece do nada”. Será? Nós falamos muito de crenças limitantes por aqui, porque acreditamos que existe um código de conduta que é regido silenciosamente por verdades que criamos ou nos foram impostas e que nem sabemos que existem. Por isso, em nossos tratamentos de Saúde Integrativa, incluímos técnicas que encontram essas crenças e trabalham para ressignificá-las. E como iniciar uma jornada para viver a sua verdade? Muitas vezes, para mudar uma realidade e empreender um caminho mais autoral, mais condizente com o que você, individualmente, realmente acredita, basta ter consciência. Quando nos damos conta de que muitos dos nossos desejos corriqueiros na verdade não têm assim tanta importância, ou quando vemos que nossos medos nada mais são do que medos herdados de um código familiar ou social, mudamos a chave, como se diz. Passamos a ver o mundo de outra forma, nos sentimos mais livres para tomar decisões diferentes, passamos a viver a nossa verdade. Ninguém está dizendo que você deve, neste momento imediato, jogar tudo para o alto e mandar suas obrigações às favas. Mas talvez uma transição de carreira vá bem. Talvez uma mudança de atitude traga oportunidades que você nunca havia imaginado antes. Quando tomamos a decisão de mudar, tudo muda ao nosso redor. Por isso, pense e avalie: você vive a sua verdade? Onde mora, no que trabalha, a vida que constrói é realmente aquilo que você deseja e enxerga como sendo seu? Sua vida tem a sua assinatura, você está satisfeito? Se sim, ótimo. Mas, se a resposta for não, talvez esteja na hora de rever suas decisões e começar a trilhar um caminho mais condizente com o seu eu interior. E, se precisar de ajuda para descobrir esse caminho, estamos aqui, é só chamar!

Aprendendo a conviver com os erros

Aprendendo a conviver com os erros

Não há nada mais tóxico em nossas vidas do que a culpa. Quando não nos perdoamos e não aprendemos a conviver com os nossos erros, tão humanos, corremos o risco de perder o melhor da vida, absorvidos por uma atitude de autoflagelo. Fuja desse comportamento!

Pode parecer mentira, mas muitos de nós se impõem sofrimentos, ou evitam tratar dores e doenças acreditando que elas são resultado de seus erros e, portanto, são merecidos. Essa atitude de autoflagelo, mesmo que inconsciente, pode ser o estopim de uma vida sem alegria, sem objetivos e com muito sofrimento autoimposto. Nossa dica é: trate seus medos, trabalhe suas culpas, aprenda a conviver com seus erros. Somos todos humanos e errar é uma premissa. Inclusive e até mesmo pela ciência, errar é considerada a melhor forma de aprender. Todo eureca surgiu de uma série de erros. Na ciência, um acerto teve, antes, múltiplas tentativas, e essa tipo de ação é totalmente compatível com as maiores descobertas. Muitas delas, inclusive, surgiram de um erro. Um cálculo que não tinha sido pensado, uma combinação de fatores que foi feita por acaso. Algo que poderia ter sido um erro e foi, no final das contas, uma grande descoberta. Sem o erro, seguiríamos estáticos, sem ir em frente, esperando apenas pelos momentos seguros para agir. E eles são poucos, a maior parte dos movimentos que fazemos são apostas nas nossas ideias, nos nossos instintos, no que chamamos de feeling e que nada mais é do que estarmos sintonizados com o que fala diretamente aos nossos corações. E, mesmo assim, vamos errar. Ainda bem, porque saber o que não dá certo é o primeiro passo para começar a acertar! Aprender a conviver com os erros nos traz liberdade Quem quer acertar o tempo todo vive sob o guarda chuva do estresse e do medo. Estresse porque se impõe a necessidade real de não errar jamais. No íntimo, sabendo ser impossível, vive diante da possibilidade do erro, o que provoca medo. O estresse e o medo são dois inimigos cruéis da estabilidade e do crescimento. Só temos o terreno fértil para plantar coisas boas na vida se nos sentimos relaxados e livres. Evitar o erro é estagnar. Por isso mesmo se diz que coragem não é a ausência do medo, mas é agir mesmo com medo. É ir lá e fazer, sabendo que há 50% de chances, sempre, de acertar. Se permitir é proporcionar uma vida mais tranquila e sem sobressaltos. E aprender a conviver com os erros é lidar da melhor forma com seus fracassos. Não deu certo? Tente novamente. Quem deseja ter mais coragem mais vive preso na energia de culpa por erros cometidos pode precisar de ajuda. E não hesite em procurar! Se quiser, estamos aqui, prontos para usar diversa ferramentas para descobrir de onde vêm os seus medos, quais crenças limitantes impedem você de agir e onde estão guardados seus maiores potenciais. Nós podemos ajudar você a conviver com seus erros, para fazer deles o caminho dos seus maiores acertos.

A importância da nutrição para uma saúde integral

A importância da nutrição para uma saúde integral

Quem vem à Biointegral Saúde pensando em sair apenas com menos dores e empreendendo uma limpeza de traumas pode se surpreender. Ter saúde integral, que é o que oferecemos aqui, parte do princípio de rever todas as partes da vida. Construir um cardápio novo, por exemplo, pode ser o que falta para que seu dia a dia seja de mais bem-estar.

Nós trabalhamos com saúde integrativa. O que isso significa? Que avaliamos todas as faces da vida, que observamos o que está em equilíbrio e o que está em desacordo com os objetivos traçados pelo próprio paciente. Quer mais produtividade? Melhor qualidade do sono? Mais foco nas suas decisões? Relacionamentos mais saudáveis? Talvez o primeiro passo seja rever o que você come. Parece inusitado? Pois vamos explicar. Principais efeitos nocivos de uma má dieta:
  1. Sono
O que você come pode afetar a qualidade do seu sono ou deixar você sonolento ao longo do dia. Rever as suas escolhas nutricionais pode ser a saída.
  1. Inchaço
Muitas pessoas estão descobrindo que o inchaço que sentem, especialmente ao final do dia, nem sempre é consequência do estresse ou de como você trabalha (sentado a maior parte do tempo, ou em pé por horas demais), mas, sim, do que você come.
  1. Falta de foco
A alimentação pode ajudar nossa mente ou diminuir sua capacidade, você sabia? Junto com outras práticas, como leituras, meditação, entre outras, comer melhor pode ser um santo remédio.
  1. Doenças
Esse é o fator mais fácil de explicar. De diabetes a doenças cardiovasculares, passando pela hipertensão, pela obesidade e a falta de nutrientes importantes para nossa saúde, tudo parte das escolhas que fazemos e colocamos em nosso prato.
  1. Ansiedade
A ansiedade também pode ser decorrência de deficiências alimentares ou de uma forma errada de comer. Correndo demais, sem dar o devido tempo ao corpo de aproveitar os alimentos. Uma refeição pode, e deve, ser um momento de paz.
  1. Cansaço
Muitos alimentos, ou a falta de outros, podem tirar nossa vitalidade e produzir um cansaço extremo, que nada tem a ver com as atividades físicas ou mentais que realizamos. E por que entender que os alimentos nos afetam de outras formas, e não apenas na nutrição, é importante? Porque você pode vir a uma consulta conosco e sair com uma nova dieta, por exemplo. A Saúde Integrativa trata disso, de entender que aspectos da vida precisam ser realinhados para tenhamos saúde integral. Então, avalie a importância que você dá ao que come hoje e procure conhecer mais formas de se alimentar que possam saciar não apenas a fome, mas a sua saúde. Você vai se surpreender com a importância que a nutrição tem, e talvez comece já a fazer escolhas mais conscientes.

O que é preciso para envelhecer com saúde?

O que é preciso para envelhecer com saúde?

A saúde integrativa, como o próprio nome já diz, trabalha o ser humano de forma integral. Para envelhecer com saúde, é preciso viver com saúde, observando hoje como seu corpo se comporta para oferecer a ele os meios de seguir sendo essa máquina fenomenal.

Nós nascemos para ser saudáveis e completos, mas acabamos passando muito tempo tentando curar feridas que, muitas vezes, acontecem pelo medo de viver de forma integral. Só a coragem pode nos fazer seguir em frente e envelhecer com saúde: coragem de enfrentar nossos medos, coragem de dizer sim quando desejamos, coragem de fazer escolhas cada vez mais conscientes e que falem diretamente com nosso coração. A saúde integral leva em conta, para tratar dores e doenças, um conjunto de comportamentos, de sentimentos, de crenças e de rotinas que fazem parte do que somos. Olhar apenas para um desses aspectos é negligenciar a riqueza humana. Por isso, o trabalho de saúde integrativa é tão importante para o envelhecimento saudável. Alguns pontos que precisam ser levados em conta e que necessitam de equilíbrio para o bom envelhecimento: Rotina Como é sua rotina? Você corre contra o tempo ou é senhor dele, organizando suas tarefas e inserindo, entre elas, momentos de descanso e descontração? A vida é um aglomerado de escolhas. Se estamos escolhendo errado, certamente sentiremos, mais cedo ou mais tarde, os efeitos que a falta de autocuidado pode ocasionar. Se você pensar sempre que é “só por hoje” que eu não me cuido, possivelmente deixará a procrastinação acabar com sua saúde. Sua vida é hoje! O que você está fazendo agora por você? Exercícios Movimentar-se faz com que estejamos lubrificados, com a circulação em dia e com o corpo saudável. Não é preciso ser um atleta, mas é preciso se exercitar. Escolha algo que alimente sua alma, que faça você sorrir, algo que traga prazer e invista em você. Seu corpo, e sua mente, certamente vão agradecer, especialmente no longo prazo. Respiração Como você respira? Apenas para viver ou de forma consciente? Uma dica importante para quem ainda não se deu conta da importância da respiração é: faça pequenas pausas no seu dia (se preferir, coloque o celular para despertar) para três longas e lentas respirações. Encha seu abdômen e seu peito de ar, de forma lenta. E libere esse ar calmamente. Oxigenar de forma correta as células do seu corpo faz com que ele “acorde” e movimenta todas as tarefas que ele faz de forma tão automática. Respiração é vida ampliada. Respire! Alimentação Escolher o que come é, talvez, uma das ações que mais pode ajudar no envelhecimento saudável. Alimentos naturais, com menos conservantes, menos sal e menos açúcar, prestar atenção às respostas do seu organismo a cada escolha de alimentos é muito importante. E beber muita água, também. Há quem diga que nós somos o que escolhemos comer. Então, escolha a saúde e a longevidade, a partir do que coloca na mesa. Pode dar um certo trabalho, mas seu futuro agradece. Emoção Uma parte importante de envelhecer com saúde é cuidar das suas emoções. Traumas, crenças limitantes, perdas mal resolvidas, memórias que machucam, tudo isso pode ser tóxico para seu organismo e fazer com que você viva menos ou viva de forma muito limitada. Então, se acreditar que seja necessário ou se quiser investigar suas emoções, procure ajuda! Converse, conte, reflita, mas trabalhe a sua forma de perceber e de gerenciar as emoções. Ser feliz é o caminho para viver mais e melhor. Se cada parte da sua vida conseguir equilíbrio, envelhecer será apenas uma consequência saudável e consciente. Não podemos fugir do tempo, mas podemos fazer dele um aliado no aprendizado de si mesmo e na forma de viver mais consciente e em sintonia com nossos desejos mais profundos.

Cuidados para o carnaval, ligue a sirene emocional

Cuidados para o carnaval, ligue a sirene emocional

Está chegando a época mais divertida do ano! Será? Para quem gosta de carnaval, a dica pode ser curtir as festas com equilíbrio. Para quem não gosta, fica a receita: pode ser um bom momento para refletir e entrar em contato com seu mundo interior.

Quem aí gosta de carnaval, levanta a mão!

Para vocês, que vão sair na avenida, acompanhar bloco de rua, entrar na folia, não esqueça o mais importante: carnaval passa, mas o que vivemos nele, não. Tanto para o bem quanto para o mal. As alegrias, a diversão, o brilho nos olhos nos transformam em pessoas melhores, mas os exageros podem ser um peso extra a carregar durante o resto do ano. Mas, então, como lidar? O importante é garantir que, independe do que aconteça e de onde e com quem você esteja, seja você no comando das suas emoções. É muito fácil, especialmente se estamos vivendo uma fase frágil e se não temos total certeza dos nossos desejos, se deixar levar pelo momento e, muitas vezes, acabar entrando em situações que podem gerar memórias traumáticas. Quantas pessoas vivem arrependimentos por impulsos ocasionados pela bebida, pelas companhias e pelo próprio ambiente? Onde quer que a gente esteja, o importante é estar inteiro, de corpo e alma, senhor das próprias emoções. É o que eu realmente quero fazer? Então, está tudo certo! Estou fazendo porque é convencional que precisa ser assim? Porque todo mundo está fazendo? Porque vou ser considerado mais legal? Opa, opa, é hora de parar para refletir.

Ser aceito, uma necessidade humana

Há quem diga que nascemos para ser aceitos e que essa é uma condição humana. Sim, nós precisamos do grupo social, de nos considerarmos iguais, pertencentes. Mas escolher a que grupo pertencer, honrando qualquer um que nos foi dado anteriormente, é criar autonomia emocional. Não gosta dos excessos do carnaval? Tudo bem!!! Não é porque você é brasileiro que tem que vestir uma fantasia e ir pra rua. Hoje, em dia, há muito para fazer nessa época, que não necessariamente sair pulando freneticamente atrás do trio elétrico (mas, se quiser ir, tá tudo bem também, o importante é seguir sua própria vontade e vibração!). Há retiros, grupos de estudo, sempre tem um hotelzinho na praia, uma viagem com amigos e até mesmo a sua casa, aconchegante, especialmente se você não morar em um circuito de carnaval. Você pode aproveitar para ler aquele livro que está esperando há tempos, para terminar sua série favorita, para colocar os estudos em dia, para passear por lugares vazios, já que muita gente viaja nessa época e algumas cidades ficam mais calmas. Gosta de festa, vá para a festa! Gosta de paz, fique na sua paz! Mas, independente do que escolher, lembre-se: seja senhor das suas vontades e esteja presente, inteiro e de coração! Bom carnaval, pessoal!

Seu corpo reflete sua mente

Seu corpo reflete sua mente

Nosso corpo é um emaranhado de células inteligentes, que responde aos estímulos da nossa mente, consciente e inconsciente, e cuja saúde está totalmente conectada às nossas emoções. Conta pra gente: o que você está refletindo neste momento?

Pode ser que você ainda não saiba, mas nossa mente pode adoecer ou curar nosso corpo, e só depende de como direcionamos nossas emoções e reagimos ao que nos acontece. Quando fingimos que está tudo bem, mas vamos acumulando desapontamentos e tristezas, as chances de ter problemas de saúde são muito altas. Por outro lado, quando desenvolvemos uma postura calma e grata diante da vida, fortalecemos nosso sistema imunológico. Nosso corpo é um emaranhado de células inteligentes, que responde aos estímulos da nossa mente, consciente e inconsciente. Se não podemos controlar o que nos acontece, podemos, ao menos, ter controle sobre como vamos reagir ao que nos acontece. Esse poder de reação está intimamente ligado ao quanto nos conhecemos, ao quanto estamos conscientes diante da vida e ao quanto escolhemos a saúde ao invés da doença. Conhecemos pessoas que vivem à base de medicamentos, encontrando saídas rápidas e aparentemente eficazes para, praticamente, tudo que lhes acontece. Reforçamos, mais uma vez, que não somos contra o uso de medicamentos. Somos contra a substituição, por eles, de uma investigação apurada das causas do que nos acontece e da mudança de hábitos e de mentalidade na busca da saúde integral.

Seu corpo reflete sua mente

Vamos pensar da seguinte forma: se você toma medicamentos, elimina os sintomas daquilo que está incomodando. Quando cessa o medicamento, logo a dor retorna. Esse é um quadro comum de reincidência no caso de dores crônicas, especialmente aquelas para as quais a ciência ainda não tem explicação. De onde vem a fibromialgia, por exemplo? Ou uma reumatite artrose? São respostas que ainda estão sendo buscadas pela ciência. Mas voltemos ao quadro: com os remédios, os sintomas são tratados. Mas a dor retorna. E aí, como fazer? Quando buscamos as causas primárias de dores e doenças, quando entendemos que somos mais do que aquele quadro sintomático atual, é possível encontrar novos meios de lidar e de tratar as dores. Muitas vezes, a doença é o corpo tentando lidar com nossas emoções mais profundas. Encontrá-las e iniciar um processo de limpeza é uma proposta viável e que, muitas vezes, é totalmente eficaz.

O passo a passo de uma sessão na Biointegral Saúde

O passo a passo de uma sessão na Biointegral Saúde

Quer conhecer a origem real de suas dores, especialmente as crônicas? Nos atendimentos da Biointegral Saúde, usamos todas as ferramentas disponíveis, de forma integrativa, para que você tenha uma vida mais plena e sem dores.

Se você tem seguido nosso conteúdo e tem curiosidade em saber como funciona o atendimento aqui na Clínica, chegou a hora de conhecer como tudo funciona. Nosso grande diferencial é olhar para a pessoa de uma forma integral e não apenas para o sintoma apresentado, já que as nossas dores não são exatamente geradas no local em que ocorrem. Nosso corpo, muitas vezes, trabalha de forma espelhada e conhecer as reações próprias de cada organismo e de que forma elas podem se desdobrar é importante para oferecer o melhor tratamento. Basicamente, o atendimento aqui na Biointegral Saúde funciona em 3 etapas:
  1. Anamnese
Todo atendimento inicia com uma entrevista realizada para entender como está a saúde do paciente. É nela que conhecer suas dores, o que o aflige, e também começamos a perceber que causas essa dor pode ter, ao reconhecer, na sua forma de expor a sua própria situação, seu conjunto de crenças e informações sociais.
  1. Micropalpação
Depois de conversar com o paciente, usamos uma técnica de Microfisioterapia, que acontece por meio de micropalpações em determinadas áreas pré mapeadas do corpo e que nos dão informações sobre possíveis dores e doenças e se suas causas são traumáticas. Aquilo que nosso cérebro não consegue processar bem pode ficar registrado, como uma memória traumática, nas células de determinados tecidos do corpo. Não apenas algo físico ou mental, mas também a administração de um medicamento forte, por exemplo. Na própria sessão, já trabalhamos comandos que avisam o corpo de que aquele trauma pode ser eliminado, ou seja, o tratamento já pode ser iniciado nesse momento.
  1. Revisão de rotina e procedimentos
O paciente sempre sai de uma consulta com uma tarefa de casa. De dicas precisas e simples, como manter-se hidratado para ajudar o corpo na eliminação das células que guardam memórias traumáticas, até uma alimentação mais condizente com suas características pessoais, nós indicamos mudanças que vão trazer mais bem estar e que vão combater as dores e, especialmente, que vão permitir que haja uma qualidade de vida maior para o paciente. Quantidade de sono, atividade física, melhores escolhas no dia a dia também fazem parte dessa lista de novas ações em busca de uma saúde integrativa. Nós partimos do princípio de que o próprio corpo é capaz de se curar. Precisamos, para isso, emitir os comandos certos e dar o tempo necessário para que ele empreenda novos hábitos e entenda que pode se desfazer de determinadas memórias e crenças que já não lhe servem mais. Por isso, sugerimos um intervalo de 45 a 60 dias entre uma sessão e outra, para que possamos perceber as mudanças e entender de que forma cada organismo responde às novas rotinas propostas. Tem curiosidade em saber como seu corpo funciona? Quer entender as causas reais de suas dores e doenças? Tem vontade de iniciar uma rotina mais saudável, observando mais as respostas do seu corpo e promovendo um dia a dia mais cheio de vitalidade e saúde? Então, entre em contato conosco e agende seu horário!

Que tal investigar suas crenças?

Que tal investigar suas crenças?

Se pudéssemos dar uma dica para que sua vida comece a mudar e você possa evoluir como pessoa, seria: seja um curioso! Investigue suas crenças, descubra o que, de forma silenciosa, você está atraindo para sua vida!

Que tal começar um novo momento em sua vida e investigar suas crenças? Você sabe realmente no que acredita? Muitos dos nossos desejos e movimentos estão intimamente conectados a crenças que carregamos e das quais não temos a menor consciência. “Verdades” que aprendemos desde pequenos, que trouxemos como herança de nossos ancestrais e regras sociais que seguimos sem questionar. Mas, e porque isso importa? Por que, se não temos consciência, podemos simplesmente estar vivendo sob verdades que não condizem com o que realmente acreditamos. Quer entender melhor? Pense na nossa relação com o dinheiro. Vou enumerar aqui três crenças que certamente fazem parte da sua vida, de alguma forma:
  1. Dinheiro na mão é vendaval – tem até música disso, certo? Acreditamos que dinheiro não dura porque não sabemos como usufruir dele. Que ele vem e vai, independente da quantidade. Há quem acredite que quanto mais temos, mais fácil gastamos. Ou seja, é uma crença que impede que desejemos ter muito dinheiro;
  2. Dinheiro é sujo – quem nunca ouviu “tira a mão daí, isso é sujo!” quando era criança? É um passo muito pequeno para que a preocupação com germes e bactérias se torne uma aversão ao dinheiro em si. Muita gente acredita que dinheiro é algo sujo, que não traz alegria e que, portanto, é melhor não ter, mesmo.
  3. Dinheiro não traz felicidade – que só o dinheiro, em si, não é a causa das nossas alegrias, a gente também acredita, mas pensar que o dinheiro não traz felicidade nos faz não desejar o dinheiro, ou pior, evita-lo.

E aí, o que acontece com essas crenças?

Todos nós desejamos ter uma vida próspera, sem passar por necessidades, sem ter que ficar contando moedas para pagar contas, certo? Mas, mesmo desejando isso, nossas crenças interiores, silenciosas, nos dizem o tempo todo que enriquecer nos torna maus, infelizes e que realmente não possível ter dinheiro e ser feliz ao mesmo tempo! As crenças são tão fortes que, muitas vezes, tomamos decisões baseadas nelas, e não nos nossos desejos. Estamos exemplificando com o dinheiro por ser algo material e fácil de entender. Mas imagine que funciona da mesma forma com tudo em nossa vida: relacionamentos, escolhas profissionais, mudanças de cidade, de casa, simplesmente tudo que precisamos decidir. Investigar as próprias crenças permite que sejamos mais autônomos, senhores das nossas decisões. Nos faz sair da situação para olhar de fora, como se diz, observar prós e contras reais, sem verdades que não fazem parte do que realmente, e de forma consciente, acreditamos. Que tal investigar suas crenças? Entender o que nos move de verdade nos dá poder para tomar decisões mais sábias e atingir objetivos que realmente nos trarão felicidade.

Assertividade tem a ver com autoconhecimento

Assertividade tem a ver com autoconhecimento

Saber exatamente o que desejamos para traçar objetivos claros e concretos é a melhor forma de evoluir. Mas, como entender quais são as nossas metas, se não nos conhecemos?

Você sabia que assertividade tem a ver com autoconhecimento? Vou explicar: quando nos conhecermos, temos a real medida dos nossos desejos, daquilo que nos move e do que realmente nos faz feliz. Dessa forma, conseguimos traçar objetivos que são condizentes e que nos dão energia suficiente para correr atrás dos nossos sonhos. É muito mais fácil trabalhar quando sabemos o que vamos conquistar! Porém, muitas pessoas que chegam aqui no consultório tem uma dificuldade grande de serem assertivas quanto a seus objetivos. Na maioria das vezes, não sabem o que realmente querem. E isso acontece porque não temos, ainda, uma cultura de autoconhecimento, de investigar quem somos, o que desejamos. Estamos, ainda, iniciantes na arte de buscar nossa essência. A Saúde Integrativa, que praticamos aqui na Biointegral, é essencial para encurtar o caminho entre quem somos e o que desejamos conquistar. Isso porque ela trabalha não apenas os sintomas do paciente, mas sua vida como um todo. É na Saúde Integrativa que descobrimos as causas reais de dores e doenças, especialmente as crônicas, encontramos traumas escondidos, crenças limitantes. Além de ser um processo de reabilitação do paciente, é uma forma de autoconhecimento importante.

Como ser mais assertivo a partir do autoconhecimento?

Quando iniciamos um processo de investigação das nossas crenças e memórias, começamos a entender porque algumas situações nos incomodam, outras nos atraem mais e o que realmente nos traz alegria e satisfação. Da mesma forma, entendemos como pessoas e atitudes tóxicas atuam provocando dores e doenças. Essas informações servem como um GPS que nos mostra os melhores caminhos, aqueles que são realmente condizentes com nossa essência. Sabendo o que nos faz felizes, podemos escolher com mais propriedade: carreira, casa, emprego, relacionamentos, atitudes, tudo pode ser modificado para que sejamos emocionalmente, e fisicamente, mais saudáveis. E nos tornamos mais assertivos em nossos objetivos, o que nos permite ir muito além das nossa realidade atual, e evoluir cada vez mais naquilo que realmente toca o nosso coração.