Por que algumas dores são maiores do que outras?

Por que algumas dores são maiores do que outras?

Duas pessoas podem ter o mesmo tipo de dor, mas uma efetivamente “doer” mais do que a outra. Sabe por que? Porque nossas dores estão conectadas com situações e memórias que trazem mais ou menos apego e conexão!

Algumas dores podem ser maiores do que as outras, mesmo que sejam mais simples e até mais amenas, se olharmos pelo lado clínico. Mas por que isso acontece? Nossas dores estão conectadas com situações e memórias que trazem mais ou menos apego e conexão. Enquanto uma dor de cabeça pode ser suportável e passar facilmente para algumas pessoas, para outras pode ser um tormento e remeter a tempos mais difíceis, mesmo que de forma inconsciente. Acontece que tudo que vivemos deixa marcas no nosso corpo, seja nas memórias conscientes, seja nas células de determinados tecidos. Algumas técnicas que usamos conseguem detectar essas memórias e descobrir se há informações que envolvem aquela dor ou doença que teima em não ir embora, e que podem estar nos afetando silenciosamente. Pelo fato de nossas dores e doenças estarem, normalmente, conectadas a emoções vividas, é quase impossível comparar situações: duas pessoas diferentes podem ter reações à dor totalmente opostas. Em uma, será apenas a dor em si, em outra, um universo inteiro de sensações, medos, angústias. Por isso o tratamento de dores crônicas precisa levar em consideração o histórico, o sistema familiar, a complexidade de cada pessoa.

Algumas dores realmente são maiores do que as outras

Quando algo nos dói mais do que esperamos, é preciso investigar: algo a mais existe aí, pode ter certeza. Talvez algum fato que aconteceu na infância, talvez algum sentimento reprimido, algo que nos faz sentir mais do que simplesmente a dor, mas todo o histórico de conexões que ela traz à tona. Da mesma forma que para alguém que teve um trauma com água é muito mais difícil aprender a nadar, para alguém que teve um evento traumático que resultou na dor será mais difícil encontrar a cura. Porque ela está conectada não apenas às reações químicas e físicas do organismo, mas ao conjunto de reações emocionais ligadas ao fato em si. Portanto, se você tem alguma dor de “estimação”, aquela que nunca vai embora ou, se vai, volta rapidinho, que não tem causa aparente e que te impede de viver um dia a dia saudável, investigue! Descubra se ela não está conectada a alguma memória traumática ou a alguma crença que você gerou, e que a mantém na sua vida como se fosse necessária. A dor nunca é! Ela é um alerta, se não de um fator físico, de um processo emocional ou psíquico que precisa ser tratado. Buscar ajuda para ter uma vida melhor é possível. Muito mais do que isso, é fundamental.

Por que é tão importante conhecer as causas reais de dores e doenças?

Por que é tão importante conhecer as causas reais de dores e doenças?

Só quem tem uma dor recorrente sabe o quanto é importante ir a fundo e descobrir de onde ela vem. Descobrir as causas reais de dores e doenças permite iniciar um processo de recuperação efetivo, e não apenas paliativo. Quem não quer parar de sentir dor?

Você sabe me dizer por que é tão importante conhecer as causas reais de dores e doenças? Se você já sentiu uma dor, tomou uma medicação, e logo ela voltou, e assim sucessivamente, sem uma explicação lógica ou visível, vai entender o que eu quero dizer. Se a gente não olha para todos os processos que envolvem aquele sintoma, que, no caso, é a dor, não consegue estruturar um tratamento que seja mais eficaz e que possibilite atingir o foco do problema, de verdade. Isso acontece com enxaquecas, ansiedades, síndromes, distúrbios do sono e alimentar. Você vai ao especialista, retrata o quadro, o sintoma é descoberto e tratado. Você passa alguns dias bem, na melhor das hipóteses, e a dor volta. E por quê? Porque ainda temos como premissa, no ocidente, tratar a doença. Aliviar a dor, o sintoma. O caminho para uma reabilitação mais eficaz do ser humano é ser observado e analisado como um todo, caso contrário, o foco da dor ou da doença, inevitavelmente, fará com que ela volte.

Mas exatamente por que conhecer as causas reais de dores e doenças?

Porque elas podem ser psicossomáticas, ou seja, terem um fundo emocional. Porque elas podem ter origem em crenças limitantes, em padrões familiares, em traumas guardados no inconsciente e muito mais. Nem sempre a causa é aparente e fácil de ser detectada. Mas, uma vez encontrada, é ela quem vai dar o tom do tratamento, que vai indicar quais as melhores técnicas a serem utilizadas, e é ela quem vai permitir um caminho de reconexão com o foi desorganizado e, por isso, gerou a dor. Quando iniciamos um caminho de investigação de nossas memórias traumáticas e reconhecemos que somos seres em constante transformação e aperfeiçoamento, fica mais fácil aceitar nossas imperfeições ou os fatos que aconteceram e que nos moldaram, que fazem parte de quem somos hoje, mas que, não necessariamente precisam seguir conosco. Assim, é possível deixar para trás algumas bagagens emocionais e traumáticas e seguir mais leve e saudável.

Você está usando todo o seu potencial?

Você está usando todo o seu potencial?

Viver uma vida saudável e cheia de oportunidades sempre depende de quanto estamos usando nosso potencial. O seu pode estar escondido atrás de traumas, dores, crenças limitantes. Já pensou nisso?

Você está usando todo o seu potencial? E por potencial entenda suas qualidades, seus talentos, seu poder de escolha. Quantas vezes percebemos só depois que podíamos ter feito algo diferente, mas que nos deixamos levar por inúmeros fatores, como traumas, problemas (como dores, doenças), crenças limitantes, e não nos permitimos decidir ou optar livremente. Mas, como saber se temos algo nos limitando? Alguns aspectos são facilmente detectados, por terapias, testes, mas existem fatores que estão escondidos, literalmente, no corpo. São traumas gravados nas memórias celulares e a Microfisioterapia pode ajudar a desvendar esses segredos. Usar nosso potencial máximo pode ser a melhor definição de felicidade, pois com essa capacidade vem a certeza de que fizemos nosso melhor, independentemente dos resultados. O arrependimento e a culpa podem ser nossos maiores algozes, dependendo da situação. Quem nunca se pegou pensando: “por que não fiz o que eu realmente queria?”. Às vezes, não temos essa resposta, porque os fatores são muito interiores. Já atendi pacientes que tinham dificuldade para tomar decisões e achavam que essa era uma característica pessoal, apenas. Então, aceitavam que tinha que ser assim. Mas a descoberta de traumas cuja memória não estava na mente consciente, e sim escondidos nos tecidos celulares do corpo os ajudou a perceber que as escolhas não eram desprovidas de história, e que acabam sendo direcionadas por medo de sofrer novamente o que o organismo já havia sentido antes. Difícil de entender? É só pensar que mesmo as lembranças que esquecemos, ou seja, que são apagadas da mente, mas que nos trouxeram emoções fortes e nos marcaram desde a concepção, ficam registradas em lugares determinados do corpo e a Microfisioterapia ajuda a encontrar esses registros. Talvez você não seja livre para escolher. Talvez você não esteja utilizando todo o seu potencial de vida. Que tal começar a descobrir? Sergio Bastos Jr

Férias frustradas (com dor)

Férias frustradas (com dor)

As férias vêm chegando e tudo que você quer é aproveitar, certo? Quem sabe viajar, seja sozinho ou em família. Então, talvez esteja na hora de procurar a Microfisioterapia, para que problemas como enxaquecas, dores nas costas e mesmo ansiedade causada pelo estresse desse primeiro semestre não ocasionem férias frustradas e com dor.

As férias vem chegando e você: 1. Quer que elas sejam frustradas e com dor; 2. Quer que elas sejam plenas e relaxantes. Posso apostar que todos escolheram a segunda opção, certo? Mas e qual é a receita para que a viagem ou mesmo o tempo de descanso não seja atacada por problemas como enxaquecas, dores nas costas e mesmo ansiedade causada pelo estresse desse primeiro semestre? Vou dar uma só dica: Microfisioterapia. Se você ainda não sabe, a Microfisioterapia encontra, por meio de um processo de toques sutis na pele, memórias gravadas em tecidos do corpo e que podem ser traumáticos, causar dores, doenças crônicas, e mesmo estresse diante de uma determinada situação. Com uma sessão apenas, já é possível identificar quais são essas memórias e iniciar uma limpeza do organismo. Isso significa que o fisioterapeuta vai entender onde estão essas memórias e vai dar comandos ao cérebro, por meio dos mesmos toques sutiã, para que ele elimine as células que carregam essas memórias. A partir daí, o próprio organismo começa a identificar esses tecidos e tratar de eliminar o que for preciso. Simples assim. Claro que, dependendo do problema, mais de uma sessão pode ser necessária. Mas com a primeira, os resultados já são bem satisfatórios. O mais interessante é que a Microfisioterapia pode identificar também algumas crenças que você carrega consigo e que podem definir, sem que você saiba, as suas escolhas ao longo da vida. Para fugir de determinadas situações, você se obrigada a seguir escolhendo sempre a mesma coisa. Não é incrível? E o que isso tem a ver com as férias? Pois ao iniciar esse processo de limpeza das nossas memórias, conseguimos nos sentir mais livres e nos permitimos fazer escolhas mais acertadas, que sejam condizentes com nossos reais desejos. No que diz respeito a crenças limitantes, podemos também incluir outros tratamentos, com o PSYCH-K®, que ajuda a identificar essas crenças e modifica-las no nível subconsciente no qual opera pelo menos 95% de nossa consciência. É especialmente eficaz nas áreas de mudança de comportamentos e hábitos, conquista de bem-estar e redução do estresse. O importante é entender que você pode viver um tempo mais leve, uma vida mais leve, se optar por fazer uma limpeza das memórias traumáticas. Seu organismo, e sua família, agradece! Sergio Bastos Jr

Quem você vê no espelho?

Quem você vê no espelho?

Você já pensou sobre autoconhecimento? Quem você vê quando olha no espelho? Sabia que todas as dores e doenças que você vem carregando ao longo da vida falam muito sobre quem você é? O que acha de descobrir mais sobre si mesmo e ainda por cima iniciar um tratamento?

Quem você vê quando olha no espelho? Você tem o hábito de olhar para si e realmente entender quem é, quais são suas necessidades, seus talentos, suas fragilidades? Boa parte daquilo que sentimos, especialmente dores crônicas e doenças reincidentes, tem relação direta com nosso inconsciente e com as memórias que gravamos no corpo. No corpo? Sim, parte das nossas memórias não são gravadas no cérebro. Uma grande parte delas, eu diria. Elas acabam sendo capturadas pelo corpo, sob a forma daquilo que sentimos no determinado momento em que aconteceram, e ficam lá, em algum tecido do nosso organismo, fazendo parte da nossa forma peculiar de ver e sentir o mundo. Mas se elas estão lá, quietinhas, por que mexer, não é mesmo? Eu vou explicar: essas memórias estão lá, quietas, mas elas dirigem, de forma indireta, toda a nossa vida. Quer ver só: imagine que você sofreu uma perda muito grande, quando criança, e essa situação não ficou gravada em sua memória consciente, por você ter pouca idade ou pela própria natureza traumática do ocorrido e como uma defesa do próprio cérebro. Apesar de você não lembrar, os sentimentos, as sensações conectados a esse fato ficam registrados no seu corpo. Mesmo sem lembrar, existem alguns estopins que podem trazer a mesma sensação, os mesmos sentimentos à tona. Seja um cheiro, uma voz, uma música, uma temperatura. Caso o organismo não se defenda, você irá sofrer tudo novamente. Então, ele se defende: com dores, alergias, problemas que fazem com que o foco seja desviado. Ou ele reage, também com dores e doenças, muitas vezes reproduzindo o que você sentiu naquela ocasião. Um dor de cabeça forte, uma dor de estômago. E de novo o sofrimento existe, sem que o fato em si esteja acontecendo novamente. Por isso eu pergunto: quem você vê quando olha no espelho? Será que você percebe a sua própria totalidade? Será que conhece tudo que está gravado no seu inconsciente, no seu corpo, e que, sem que você saiba, dirige boa parte da sua vida? Procurar nossas origens, nosso universo interior e fazer uma análise dessas memórias que existem silenciosas é parte de um processo de cura, seja de dores e doenças, seja do seu emocional. Pense nisso. Há muito mais do que podemos efetivamente ver a nosso respeito. Fresia Sa

A maior gentileza começa com você mesmo

A maior gentileza começa com você mesmo

Mesmo quando procuramos por soluções para dores e doenças, é muito mais fácil indicarmos para outras pessoas do que reconhecermos a nossa própria necessidade. Você tem exercitado a maior gentileza, aquela que começa com você mesmo?

A maior gentileza começa com você mesmo, quando passa a observar o seu próprio corpo, sua mente e suas emoções para identificar a origem do que lhe faz mal. Qual foi a última vez em que você silenciou para tentar ouvir sua voz interior? Isso parece algo muito distante e intangível para você? Pois talvez esteja na hora de começar um caminho “de volta para dentro”. A Microfisioterapia pode te ajudar nessa jornada. Recebemos muitos pacientes aqui na clínica com problemas bem específicos. Ou ao menos o que é possível identificar antes mesmo de realizar uma sessão: falta de sono, apetite exagerado, dores localizadas, enxaqueca, falta de estímulo pela vida. A lista é longa. Mas a quase totalidade dessas pessoas sai da primeira sessão de Microfisioterapia com um mapa da cura, sim, mas também com uma listinha um pouco maior de “causas”, digamos. Isso porque a falta de sono pode ser uma consequência de diversos fatores. A super fome também, a depressão, apatia, medo, tudo pode acontecer em decorrência de uma série de fatores e um dos insights mais constante é: “eu não sabia que isso existia em mim”. Eu não sabia do trauma, eu não sabia dessa crença limitante, eu não sabia que eu mesmo me sabotava e me impedia de crescer. Mas é assim. E obviamente a Microfisioterapia é um processo incrível que ajuda a identificar e a curar essas causas. Mas o melhor de tudo é que esse processo nos leva um pouco mais para dentro, mais para perto de nós mesmos. Temos que nos tornas nossos melhores amigos, acolher quem somos e trabalhar nosso interior, nossa rotina, nossos sistemas para viver melhor. Se temos que ser gentil com os outros, temos que ser ainda mais conosco. Se temos que olhar para o próximo com empatia, temos que nos aceitar com ainda mais amor. Afinal, só podemos oferecer aquilo de que estamos cheios. Do que você está cheio, hoje? De alegrias e oportunidades ou de dores e desamor? Conta pra gente e agenda seu horário aqui.

Entrando em acordo com o passado

Entrando em acordo com o passado

Nosso primeiro impulso é fugir daquilo que, de alguma forma, nos fez sofrer. Mas a realidade é que enquanto não curarmos o que está em nosso passado, estaremos sempre reféns de dores e problemas físicos ou emocionais.

Tudo que nos acontece deixa marcas, especialmente o que ficou no passado. Muitas vezes, não temos consciência de como um acontecimento nos marcou, e ele acaba influenciando, inconscientemente, nosso jeito de pensar e agir, e provocando problemas, doenças, dores, que tratamos, mas não conseguimos curar. A Microfisioterapia entra nesse panorama para descobrir a causa inconsciente desses problemas e indicar que tipo de situação pode ser a causa deles, inclusive datando os fatos. Uma grande verdade é que não conseguimos seguir adiante de forma livre e saudável senão curarmos nossas feridas. E o primeiro passo é sempre o autoconhecimento, a auto referência, a capacidade de observar em nós mesmos e no círculo social em que vivemos, especialmente a família, que acontecimentos podem ter provocado traumas e causado feridas. Esse trabalho é uma verdadeira escavação da alma e pode ser muito sofrido. Entretanto, assim como uma cirurgia com o corpo, a busca de problemas emocionais vai a fundo e é capaz de promover a cura.

Um passo mais perto da saúde integral

A saúde plena passa pelo corpo e pela mente, trata de dores e emoções com a mesma intensidade e por isso precisa de um olhar integral para existir. De nada adianta procurar o alívio momentâneo do que nos faz sofrer. Na verdade, nem conseguimos, e é por isso que existem doenças e dores crônicas. Entre elas, temos as alergias, por exemplo, que por muitas vezes são tratadas ao longo da vida, mas cujo quadro agudo sempre retorna, face a algum agente em especial. E o que pode ser feito? O caminho que identificamos é a busca de causas emocionais e traumáticas no passado e as ferramentas para isso são inúmeras. Microfisioterapia, PSYCH-K®, Constelação Familiar e muitas outras terapias e trabalhos de autoconhecimento, que buscam o que está guardando em nosso corpo e subconsciente e trazem à tona o que precisa ser resolvido. Se você se identificou com esse assunto, agende um horário conosco e saiba como você pode viver de forma mais plena, livre e com saúde integral.